sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Só e educação liberta!

Fonte: http://wellingtoncollege.edublogs.org/
Ao passar dos anos, tenho percebido cada vez mais a importância do ensino como agente transformador da sociedade e de forma geral da realidade em que vivemos.

Sou apaixonado por conhecimento. Quero aprender cada vez mais sobre tudo, desde a história humana, sobre como chegamos até aqui, o que fizemos durante o percurso do Homem sobre a Terra, como era o mundo e como ele é atualmente depois da nossa interferência, gosto de entender a política, a economia, os aspectos ambientais, o cotidiano, os esportes, as ciências médicas, etc. São tantos assuntos interessantes, que fica até difícil de focar em apenas uma coisa... e talvez nem tenha que ser assim.

Entretanto, vejo tantos problemas no modelo de educação atual, a forma como a mesma se relaciona com a realidade dos estudantes, como ela conflita com o modelo mental das pessoas nascidas nessa nova era e isso me leva a questionar o poder que hoje a escola possui sobre o futuro dessa geração.

Será que a escola nos dias atuais contribui para a formação intelectual e social dos estudantes? Será que ela prejudica? Será ela adequada na construção dos conceitos necessários para os futuros responsáveis por girar a roda do mundo?

São diversos questionamentos que ainda vejo em aberto e complexos de se responder com certeza. De certa forma, a escola é uma instituição (e falo de forma generalista, envolvendo tanto ensino público como privado). Ela sendo uma instituição e carregando diversos preceitos, conceitos e formato herdados das suas versões anteriores, podemos considerá-la como uma grande corporação, os chamados dinossauros... pesados, lentos e se me perdoam a expressão: ultrapassados.

Claro que vemos hoje diversas iniciativas dentro do ambiente escolar buscando renovar seus métodos e conteúdos, mas mesmo estas iniciativas chegam em geral de forma tardia. O que ocorre em geral é a aplicação de novas tecnologias em sala de aula, mas com o viés de simplificar o uso de recursos antigos: seja a aplicação de provas via dispositivos móveis, projetores que apenas reproduzem mídias frias e sem sabor. Uma educação ancestral.

"Conhecerás a verdade e ela vos libertará" (João 8:32). Essa frase para mim se traduz no entendimento de como o poder transformador da educação, através do conhecimento da verdade, pode nos livrar das amarras de uma vida limitante e nos permite chegar ao nível de libertação psicológica, social e econômica. A capacidade que nós temos de aprender e acima de tudo de questionar o que sabemos é um dos maiores dons que temos em nossa vida. Devemos levar em nós esse espírito de querer sempre aprender mais e mais, uma avidez pelo conhecimento e todos os seus benefícios que nos serão acrescentados - "A sabedoria é a coisa principal; adquire pois a sabedoria, emprega tudo o que possuis na aquisição de entendimento." (Provérbios 4:7)

Algumas pessoas acham difícil ou mesmo chato estudar. Mas se pararmos pra pensar, estamos sempre aprendendo de alguma forma, seja um novo jogo, uma nova receita, como usar um novo "gadget", etc. Só temos que entender o sentido daquele aprendizado em nossas vidas e achar um ponto que nos interesse, até que isso se torne prazeroso e divertido. 

Tudo bem, você deve estar pensando: "Como vou achar divertido e prazeroso estudar química, sendo que detesto essas coisas? Pra que vou aprender isso ou onde usar?". É exatamente isso que estou dizendo, você precisa primeiro se convencer da importância da química na sua vida para poder gostar de aprender. Precisa visualizar o assunto e/ou conteúdo em seu dia a dia para que ele possa trazer o valor necessário.

O fato é que aprender é inerente ao ser humano e faz parte da nossa busca interior, o que aprendemos ou queremos aprender vai depender dos nossos interesses, muito mais do que pela clara necessidade - afinal, posso viver sem saber química e ser feliz assim mesmo :). Mas a percepção sobre o valor do aprender deve ser descoberta e despertada em cada um de nós e mais do que isso, devemos considerar que muitas vezes nosso cotidiano e nossas limitações culturais nos impedem de ver além das coisas básicas e da necessidade do dia a dia - conhecimentos pra sobreviver em nosso mundinho geralmente dominam nossa mente. Quando conseguimos elevar nossos anseios, sonhar alto, ir além do clássico "feijão com arroz", então estaremos a um passo de conquistar esse desejo.